Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Só entre nós

Só entre nós é um blog só para nós. Para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, sobre o que gostamos, ou não, sobre viagens fabulosas, restaurantes, pessoas que admiramos, ou que nos deixam os cabelos no ar, livros lidos e muito mais.

Só entre nós

Só entre nós é um blog só para nós. Para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, sobre o que gostamos, ou não, sobre viagens fabulosas, restaurantes, pessoas que admiramos, ou que nos deixam os cabelos no ar, livros lidos e muito mais.

Toda a verdade sobre recém-nascidos #4 - Viver na penumbra

14517-MLB3236885354_102012-O.jpg

 

Durante o dia, a nossa vida é até bastante iluminada. Abrimos os estores da casa toda, logo bem cedo pela manhã, deixamos entrar o sol sem medos e o nosso bebé dorme relativamente bem, sobretudo se estiver ao colo.

 

Com o cair da noite, o caso muda de figura. Ao que nos parece, este bebé já percebeu bem a diferença entre o dia e a noite, o que até é muito positivo, uma vez que a partir das 9 horas da noite deixa-se pousar tranquilamente no seu bercinho (o que dificilmente acontece de dia) e dorme bem, nos intervalos em que não está a comer...

 

O que acontece é que a partir desta hora não podemos acender luzes que ele possa detetar. Porquê? Simples. Porque receamos acordar a ferinha adormecida. Temos medo que, com luzes acesas, ele entenda que é de dia e acorde a pedir colo (o que, atualmente, é como quem diz a berrar desalmadamente). Então, a partir das 9 da noite, vivemos às escuras cá em casa. Ou tão às escuras quanto possível. Entramos na cozinha às escuras, fechamos a porta e acendemos a luz. Na sala, acendemos uma luz fraquinha  (aqui mais tranquilos porque estamos mais afastados do quarto). Não usamos a casa de banho do quarto, mas sim a social e no mesmo esquema da cozinha. No hall, as luzes embutidas no teto deixaram de ter utilidade (logo agora que tínhamos mudado tudo para LED, percebemos que afinal a maior poupança consistia em desligá-las porque, como se vê, não fazem falta). E, finalmente, quando queremos ir para a cama, junto à qual ele dorme a sono solto no seu berço, usamos a luz do telemóvel, discretamente.

 

Resta-nos esperar que, assim como foi rápido a perceber a diferença entre o dia e a noite (na questão da luminosidade, com certeza, porque no que toca à comida ainda não percebeu nada), possa também depressa compreender a diferença entre a luz solar e a luz elétrica...

 

 

Leia também:

Toda a verdade sobre recém-nascidos #1 - A amamentação

Toda a verdade sobre recém-nascidos #2 - As noites

Toda a verdade sobre recém-nascidos #3 - Quem tem medo do lobo mau?

1 comentário

Comentar post