Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

soentrenos

Muda de vida se não viveres satisfeito

IMG_1496.JPG

 

Muda de vida se não viveres satisfeito. É muito comum ouvir/ler esta frase. E faz todo o sentido. A vida, ao que tudo indica, é só uma, e é curta. Mesmo que se viva 100 ou mais anos. Por isso, se não estamos satisfeitos, devemos mudar de vida. Mudar de parceiro. Mudar de trabalho. Mudar de cidade. Mudar de país. Mudar qualquer coisa. Mas quantos é que realmente mudam? Mais concretamente, quantos é que mudam só porque não estão satisfeitos e não porque necessitam?

 

A minha mulher termina esta semana mais de uma década no seu local de trabalho. Onde tinha, e teria sempre, trabalho garantido e um ordenado (independentemente de ser tremendamente injusto para as horas de trabalho e responsabilidade inerente) acima da média. E termina esta semana por decisão própria. Porque não estava satisfeita. Porque queria mais e melhor.

 

A minha mulher teve a coragem de mudar. De mudar não porque precisava, mas porque não estava satisfeita. E começará agora uma nova fase onde nada é garantido. Trocou a segurança pela "insegurança", mas uma vida insatisfeita por uma vida em princípio mais satisfeita e melhor.

 

A minha mulher tem muito mais coragem do que alguma vez teria, e deixa-me cada vez mais orgulhoso por ela e pela sua decisão. Apoiei-a desde que começou a pensar em mudar e apoiarei sempre. Dando certo ou errado.

 

Tenho a certeza que a mudança será para muito melhor, mas não podia deixar de enaltecer aqui a sua coragem e determinação, a sua força incrível, e desejar a maior da sorte no novo trabalho que começará para a semana.

 

Só entre nós, és uma inspiração. Adoro-te!

Papa Francisco, O Corajoso

papa-francisco-expulsa.jpg

 

Muitos poderão ser os cognomes a atribuir ao Papa Francisco, mas O Corajoso terá de ser, indiscutivelmente, um deles. Ontem voltou a demonstrar a sua personalidade e coragem, ao proferir um discurso duro, com palavras severas e surpreendentes, no discurso de Natal perante os cardeais, bispos e monsenhores que trabalham no Vaticano.

 

Do "Alzheimer espiritual" à "divinização dos chefes". O Papa Francisco identifica 15 "doenças" na Cúria Romana e falou sobre todas esta segunda-feira, num discurso perante os cardeais, bispos e monsenhores que trabalham no Vaticano.

A primeira doença é "sentir-se imortal no seu cargo". Como remédio, Francisco, que apresentou à Cúria cumprimentos de Natal, aconselha "uma visita ao cemitério para perceber como tudo passa e o nosso lugar não é eterno".

Francisco criticou o "activismo dos que nunca param"; a rigidez mental dos que, "em vez de homens de Deus, se transformam em máquinas burocráticas"; e os que planificam tudo "como os contabilistas, sem contar com as surpresas do Espírito Santo".

O rol das doenças da Cúria prossegue: há os que sofrem de "Alzheimer espiritual" e esquecem o essencial; os que "rivalizam em vaidade e vã glória"; os "esquizofrénicos com dupla vida e sem contacto com a realidade"; e os que dizem mal, "sem coragem de o fazer olhos nos olhos, como fazem os velhacos", autênticos "terroristas da maledicência".

A lista é grande e Francisco não esquece também a "doença da divinização dos chefes". "Dar graxa" é um mal das pessoas mesquinhas que "só querem obter reconhecimento, em vez de dar".

Francisco também denuncia os que "fazem tudo para aparecer nas primeiras páginas dos jornais" – exibicionismos que, diz, só prejudicam a Igreja.

Para tudo isto há um remédio, disse Francisco: conversão permanente e deixar que o Espírito Santo santifique o corpo da Igreja.

 

Depois dos cardeais e bispos, foi a vez dos jardineiros, empregados de limpeza, porteiros, escriturários e tantos outros trabalhadores que garantem o dia-a-dia do Vaticano.  Também para eles, Francisco escolheu palavras exigentes, no discurso que lhes dirigiu esta segunda-feira.

"Cuidem da maneira como falam, purifiquem a língua de palavras ofensivas, da vulgaridade e frases mundanas"; "perdoem às pessoas que vos ofenderam"; "não tenham inveja, concupiscência, ódio ou sentimentos negativos que devoram a paz interior"; afastem todo o "rancor que leva à vingança, a preguiça que leva à eutanásia existencial, não apontem o dedo porque isso leva à soberba, nem se lamentem, porque leva ao desespero".

"Falar mal dos outros pode ser uma defesa", diz Francisco, mas esse caminho "nunca acaba bem".

Por isso, o melhor mesmo, aconselha, é "morder a língua a tempo para não dizer palavras injuriosas que deixam um amargo de boca".

Entre vários outros conselhos, o Papa pede aos funcionários do Vaticano que o Natal "não seja uma festa do consumismo comercial, da aparência, dos presentes inúteis, nem de desperdícios supérfluos".

 

Depois de João Paulo II, pensei nunca mais gostar tanto de um Papa. Afinal, estava redondamente enganado.