Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Só entre nós

Só entre nós é um blog para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, aquilo de que gostamos ou não, sobre bons e maus momentos, restaurantes fantásticos, viagens fabulosas ou nem tanto... No fundo, sobre tudo.

Só entre nós

Só entre nós é um blog para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, aquilo de que gostamos ou não, sobre bons e maus momentos, restaurantes fantásticos, viagens fabulosas ou nem tanto... No fundo, sobre tudo.

Será que a personalidade de um chef pode alterar o paladar de um cliente?

 

Imagem1.png

 

Versão original

Tradução: Só entre nós

 

Os Chefs conseguem alterar o paladar dos clientes? Podem os clientes mais difíceis ser adoçados com algumas conversas gourmet? Estas são algumas perguntas respondidas num estudo realizado pela CatchOn, uma empresa de consultoria baseada em Hong Kong e especializada em hospitalidade.

 

O estudo convidou 48 pessoas para o Serge et le Phoque, um restaurante em Wanchai, Hong Kong, sob o pretexto de que iriam participar num teste de paladar para ajudar a melhorar um prato de um Chef. O prato, risoto de açafrão com alcaçuz e lima, foi preparado em duas versões. A primeira versão usou um rico caldo de galinha caseira e foi acompanhada por uma folha indicando os ingredientes utilizados.

 

Por sua vez, na segunda versão foi utilizado um caldo em pó diluído com água da torneira. No entanto, foi o Chef quem apresentou pessoalmente esta versão, informando aos clientes que o prato foi inspirado em preciosas memórias de infância, explicando ainda a proveniência de cada um dos ingredientes.

 

Os convidados foram então convidados a avaliar as duas versões de acordo com diferentes critérios, como a qualidade, sabor global, estética, aroma e tamanho da porção. Na última pergunta pedia-se para escolher a versão preferida.

 

 

A esmagadora maioria dos participantes (77%) preferiu a segunda versão com os ingredientes de qualidade inferior. Esta versão também conseguiu a maioria dos votos nas categorias qualidade, sabor global, estética, aroma e tamanho da porção. Curiosamente, o tamanho das porções de ambas as versões era idêntico.

 

Os resultados ressaltam a importância da personalidade de um Chef num mundo obcecado por comida, como sucede atualmente. O estudo justifica ainda o fenómeno crescente de Chefs famosos e o apetite insaciável dos clientes para interagir com eles, de forma a autenticar e elevar a experiência gastronómica.

 

Além disso, os resultados apontam para a importância crescente dos Chefs também serem comunicadores eficazes. "Houve um momento em que um Chef apenas falava através do que era servido no prato", observa Virginia Ngai, Directora de Estratégia da CatchOn. "É difícil imaginar Chefs lendários, desde Fernand Point a Chefs contemporâneos como Marco Pierre White, a ter de ser charmosos com os seus clientes para que eles aceitassem a sua comida. Mas é esta a realidade do que é preciso para que os Chefs sejam hoje bem sucedidos. Hoje em dia têm de ser em partes iguais cientistas, artistas e contadores de histórias, para se destacarem."

01.jpg

02.jpg

Os resultados ilustram a preferência dos participantes para a segunda versão. Os gráficos acima ilustram os ratings de ambos os pratos em diferentes fatores numa escala de 1 a 5, de acordo com a satisfação com cada prato - o que indica que a segunda versão (3.81) teve maior classificação do que a primeira versão (3.35) embora a primeira versão fosse composta por ingredientes de melhor qualidade.

4 comentários

Comentar post