Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Só entre nós

Só entre nós é um blog só para nós. Para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, sobre o que gostamos, ou não, sobre viagens fabulosas, restaurantes, pessoas que admiramos, ou que nos deixam os cabelos no ar, livros lidos e muito mais.

Só entre nós

Só entre nós é um blog só para nós. Para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, sobre o que gostamos, ou não, sobre viagens fabulosas, restaurantes, pessoas que admiramos, ou que nos deixam os cabelos no ar, livros lidos e muito mais.

Roca Moo, Barcelona - 1 estrela Michelin - Segunda visita

FullSizeRender

 

Uma nova passagem por Barcelona merecia uma segunda visita ao restaurante Roca Moo, com uma estrela Michelin, do Chef Joan Roca, um dos melhores do mundo. Mesmo que a última visita tivesse sido poucos meses antes (análise aqui).

 

A refeição, da primeira vez, foi tão genial e maravilhosa, que mal seria se não aproveitasse a ida a Barcelona para regressar onde tinha sido tão feliz. E, sem grandes surpresas, voltei a sair de lá com a convicção de que tinha estado no melhor restaurante onde alguma vez estive. Até pode não estar tão bem classificado nos rankings mundiais como o Vila Joya (análise aqui), nem ter as três estrelas do Azurmendi (aqui). Mas a comida apresentada é divinal, fazendo com que a experiência final no Roca Moo seja ainda melhor.

 

Não me vou alongar muito sobre o restaurante, ou Chef. Sobre isso, podem ler aqui na minha outra análise. Acrescento apenas que o Chef e ajudantes (na cozinha à vista de todos) mantiveram uma serenidade desconcertante, e os empregados voltaram a demostrar uma enorme simpatia e profissionalismo, com o pormenor de no fim se terem despedido e agradecido em português. Pequenos detalhes que só contribuem para uma experiência mais inesquecível.

 

FullSizeRender[3]

 

Quanto à comida, voltámos a optar pelo menu de almoço - €45 por pessoa, com água, copo de vinho, surpresas do Chef, uma entrada, dois pratos, sobremesa e café. Valor mais que justo para a qualidade e quantidade servida.

 

FullSizeRender

 

O serviço começou com as surpresas do Chef que, devido à proximidade entre visitas, foram as mesmas da outra vez. E se num primeiro instante fiquei desiludido, imediatamente esqueci a repetição ao lembrar-me dos sabores de cada um.

 

Os bolinhos mexicanos eram cremosos e perfeitos; os camarões do rio num pequeno tronco eram tão bonitos, que antes de comer fiquei a olhar demoradamente para o aperitivo; a versão do melão e presunto era crocante e suave; e o explosivo e fresco Mojito era a cereja em cima do bolo para aquele quarteto de aperitivos.

 

FullSizeRender[1]

 

A seguir, e para minha grande felicidade, veio a espuma de bacalhau e respetiva pele frita. Dizer que este prato é genial é muito pouco. Tal como escrevi aqui, a frescura da espuma leva-nos ao mar onde o bacalhau é capturado, a surpresa do bacalhau no fundo desfaz-se na boca, e a pele frita é ridiculamente boa.

 

Felizmente já consegui atingir o Nirvana com alguns pratos (como dizem no Cañota Casa de Tapas) ou, como defendem outros, um orgasmo gastronómico. E este prato tem esse efeito sobre mim. Tal como a Rebentação - bivalves, gamba da costa, "água do mar" e "areia" de algas, servida no Belcanto (aqui). Joan Roca, se estiveres a ler, será que podias partilhar a receita comigo? Fica só entre nós!

 

Ultrapassado o clímax, foram servidos os mesmos quatro tipos de pão (de vinho tinto, cebola e queijo, fumado e caseiro). Como da outra vez optei pelo de vinho tinto (interessante, com aroma e travo a vinho) e cebola e queijo (muito bom), desta vez escolhi o caseiro. Decisão mais do que acertada, a fazer lembrar o nosso pão alentejano.

 

FullSizeRender[3]

 

Findas as surpresas do Chef (ohhh), chegou a entrada - Carpaccio de lavagante com avelãs e cítricos. Depois de alguns momentos a olhar para o prato e suas dezenas de diferentes elementos, chegou a hora de provar. O lavagante, cheio de sabor, explodia na boca à medida que se comia cada um dos pequenos elementos do prato - estrela de manjericão, avelãs, micro ervas, cubos de laranja e outros cítricos, pistáchios, tomates e diversas esferificações. Era como se cada garfada fosse diferente, cada uma melhor do que a outra. Este é daqueles pratos que, infelizmente, é comido em poucos minutos, mas que permite que se sintam as longas horas de trabalho por trás. Perfeito.

 

FullSizeRender[4]

FullSizeRender

 

Em seguida veio um Velouté de moluscos e crustáceos com ar de açafrão. Mar, mar, mar. Era só nisso que dava para pensar, com o sabor e frescura dos moluscos e crustáceos a fazer despertar os sentidos. Muito bom, apesar do sabor do velouté pecar por não ter um sabor mais diferente - não passava de um simples caldo, e o ar de açafrão pouco acrescentou.

 

IMG_5159

 

A outra entrada - Arroz de codorniz e cogumelos - estava deliciosa. Conta quem comeu que a carne estava no ponto e muito saborosa, tal como o arroz. Não seria de esperar outra coisa.

 

FullSizeRender[1]

 

Passando aos pratos, voltei a escolher a carne e não me arrependi, mas também provei o prato de peixe - Robalo com acelgas, pimentos e chili - e posso confirmar que estava maravilhoso. É extraordinário como a confeção de um peixe de forma menos "tradicional", e com um ponto de cozedura diferente daquele a que nos fomos habituando a comer em casa e nos restaurantes, pode transformá-lo da noite para o dia. Se o robalo estava perfeito, com a pele bem tostada, os acompanhamentos, apesar de bons, podiam ser melhores - como o puré de batata violeta que acompanhou a pescada da outra vez.

 

FullSizeRender[2]

 

Tal como escrevi, escolhi a carne e, dificilmente, podia ter escolhido melhor - Cordeiro, rúcula e carbonara de trombetas da morte. O cordeiro estava sumptuoso. Desfazia-se na boca, o sabor era de chorar, e a pele... Estaladiça e crocante. Digamos que estava obscenamente delicioso. Os cogumelos, apesar do nome, não matam ninguém e são muito bons. Já o creme e cilindros de esparregado eram um acompanhamento mais do que adequado. Resumindo, estava perfeito.

 

FullSizeRender[3]

 

Por fim, veio a sobremesa - Chufa, café e limão - que, para nosso agrado, trouxe uma das tradições gastronómicas em Barcelona - Orxata - tanto em copo, como na própria sobremesa. A acompanhar a orxata havia um gelado de café e esferificações de limão. No geral era uma sobremesa muito boa mas que, em comparação com a servida uns meses antes, deixou um pouco a desejar. 

 

FullSizeRender[2]

 

Aproveitando o facto de estar num restaurante onde as sobremesas são criadas por Jordi Roca, eleito o melhor Chef Pasteleiro do mundo, não resisti a pedir uma sobremesa extra. E se da outra vez escolhi a Viagem a Havana (com verdadeiras cinzas de charuto, leiam mais aqui), desta vez escolhi a Nuvem.

 

FullSizeRender[1]

 

E que maravilha de sobremesa... Não só é extremamente bonita, como é deliciosa. E em que é que consiste? Num gelado de leite de ovelha, espuma de leite de ovelha, gelado de goiaba e algodão doce por cima. O algodão doce derrete na boca, trazendo memórias de infância, ao mesmo tempo que se vai derretendo e misturando com os gelados de leite e goiaba... É bom demais.

 

Sobremesa  perfeita para mais uma refeição (praticamente) perfeita, no meu restaurante preferido. Venha a décima primeira viagem a Barcelona.

4 comentários

Comentar post