Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Só entre nós

Só entre nós é um blog só para nós. Para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, sobre o que gostamos, ou não, sobre viagens fabulosas, restaurantes, pessoas que admiramos, ou que nos deixam os cabelos no ar, livros lidos e muito mais.

Só entre nós

Só entre nós é um blog só para nós. Para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, sobre o que gostamos, ou não, sobre viagens fabulosas, restaurantes, pessoas que admiramos, ou que nos deixam os cabelos no ar, livros lidos e muito mais.

Quando chega a hora de pagar nos restaurantes Michelin


Ainda estamos muito longe de ser especialistas em restaurantes com estrelas Michelin, mas penso que as sete estrelas onde já estivemos dão uma boa ideia de como funcionam estes restaurantes de alta cozinha.

E, curiosamente, houve um pormenor extensível aos restaurantes Michelin onde estivemos que é, no mínimo, curioso.

As dezenas de pratos são, normalmente, servidas ao longo da refeição com rapidez e eficiência e os funcionários estão sempre extremamente atentos a tudo o que se passa. Assim que falta água no copo vão logo a correr enchê-lo, se uma pessoa vai à casa-de-banho vão logo dobrar o guardanapo ou substitui-lo, se o pão acaba trazem imediatamente um novo, se alguém precisa de alguma coisa nem é preciso abrir a boca para que apareça alguém... Enfim, a atenção e cuidado não podia ser maior.

Porém, tudo muda quando chega a hora de pagar nos restaurantes Michelin. E não, a questão não está na dor que é pagar trezentos euros por uma refeição de duas pessoas. O problema está no facto de se ter de esperar uma verdadeira eternidade para receber a conta. 

É que assim que o último prato é comido, os empregados esquecem toda a atenção que costumam ter e não se aproximam da mesa. Nem sequer olham na nossa direção, e desviam o olhar quando percebem que estamos a olhar para eles.

No Vila Joya, (sobre o qual escrevi aqui), por exemplo, depois de meia hora de espera, e de inúmeras indiretas, tive de ser claro, chamar o empregado e pedir pela conta. Porque, senão, iríamos esperar mais meia hora, de certeza. O mesmo aconteceu no Azurmendi, em Larrabetzu, sobre o qual escrevi aqui. Depois de desesperar pela conta que não chegava, tive de chamar um empregado, que, primeiro, se fingiu de desentendido, e depois respondeu "claro que sim, já vem." Do género, não se preocupe que vai pagar. Não pense que isto é oferecido. Só tem é de esperar!

E porque é que isto acontece?
Porque querem que os clientes se sintam à vontade depois de comerem, sem pressionar a sua saída?
Porque sabem que os preços praticados, mesmo que merecidos, não deixam de ser exagerados?
Porque sabem que vai custar a tirar a carteira do bolso?
Porque querem dar uns minutinhos para que os clientes respirem fundo antes de ver os três dígitos finais?

Seja como for, se se tem de pagar a refeição, não faz sentido adiar o inadiável, fingir que a refeição não acabou, ignorar os olhares dos clientes e não trazer a conta.

Tudo bem que queiram deixar os clientes à vontade, mas, só entre nós, preferia que me apresentassem a conta imediatamente após o último prato. Por mais que me saiba bem estar no restaurante, depois de três horas em média de refeição, já não há posição para estar sentado.
{#emotions_dlg.blink}

5 comentários

Comentar post