Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Só entre nós

Só entre nós é um blog só para nós. Para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, sobre o que gostamos, ou não, sobre viagens fabulosas, restaurantes, pessoas que admiramos, ou que nos deixam os cabelos no ar, livros lidos e muito mais.

Só entre nós

Só entre nós é um blog só para nós. Para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, sobre o que gostamos, ou não, sobre viagens fabulosas, restaurantes, pessoas que admiramos, ou que nos deixam os cabelos no ar, livros lidos e muito mais.

O terror da Rua Augusta

baixa-rua-augusta.jpg

 

Sou Lisboeta, adoro Lisboa, adoro passear por Lisboa (algo que tenho a sorte de poder fazer diariamente) e a Baixa está entre os meus bairros preferidos de Lisboa. E talvez seja por tudo isto que me custou tanto passear há dias pela rua Augusta. Não sei se isto que vou descrever acontece todos os dias, mas foi o que presenciei há uns dias, num dia de semana e à hora de almoço.

 

À medida que ia caminhando pela rua, fui interpelado:

- por dezenas de empregados de restaurantes que, fazendo o trabalho que lhes compete, estendiam menus à frente da minha cara, convidando-me a sentar e comer;

- por ciganos que tentavam vender óculos, malas, telemóveis, uns sacos com qualquer coisa estranha lá dentro...;

- por pessoas em segway a tentar vender excursões pela cidade;

- por um homem que insistia que tinha na rua ao lado um tuk tuk e que podia levar-me a Sintra;

- por pessoas de uma associação qualquer que queriam "apenas um minuto" para ajudar alguém;

- por pessoas que pediam desesperadamente por uma moeda para comer/sobreviver;

- por mimos/homens estátua/performers que pediam uma moeda;

- e por uma senhora que queria fazer-me um questionário para qualquer coisa que nem percebi.

 

A juntar a tudo isto, tinha de desviar-me constantemente das centenas de turistas que enchiam a rua e paravam sucessivamente para tirar fotos/selfies e ter atenção aos pombos que rasavam as cabeças de quem por lá andava.

 

Cada um estava a fazer o seu trabalho, nada contra, e é perfeitamente normal que os turistas queiram fotografar tudo (eu faço o mesmo). Mas juntar tudo isto na mesma rua, transforma a agradável experiência de caminhar pela rua Augusta num verdadeiro suplício. 

2 comentários

Comentar post