Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Só entre nós

Só entre nós é um blog para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, aquilo de que gostamos ou não, sobre bons e maus momentos, restaurantes fantásticos, viagens fabulosas ou nem tanto... No fundo, sobre tudo.

Só entre nós

Só entre nós é um blog para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, aquilo de que gostamos ou não, sobre bons e maus momentos, restaurantes fantásticos, viagens fabulosas ou nem tanto... No fundo, sobre tudo.

Não me apetece pagar e não me podem obrigar!

image.jpeg

 

De vez em quando ando de comboio, e são raras as vezes em que não tenho alguma história para contar. Recentemente, o revisor aproximou-se de um adolescente, com não mais de 16 anos, e pediu-lhe o bilhete.

 

"Não tenho.", respondeu o adolescente, 

"Como?"

"Não tenho.", reafirmou, encolhendo os ombros, sem demonstrar qualquer sentimento de receio ou vergonha.

 

A sua atitude era de alguém nada preocupado com o que se estava a passar. De tal forma que o adolescente poderia ter saído na estação anterior, porque já tinha visto o revisor na carruagem a pedir os bilhetes, mas decidiu ficar. Não tinha bilhete, e isso não era um problema dele.

 

Naquele instante, convenci-me que o revisor ia passar-lhe uma multa. Afinal, existe cada vez menos tolerância, e já vi mais do que uma pessoa a ser multada somente porque não validou o seu bilhete (que tinha dinheiro para várias viagens).

 

Para minha grande surpresa, o revisor limitou-se a dizer:

"Está bem, mas então tens de sair na próxima."

 

E o que é que aconteceu a seguir? Sim, ele não saiu. Só quatro estações depois é que saiu. Nesse entretanto, esteve tranquilamente a olhar para a janela, ao mesmo tempo que o revisor, de pé ao lado dele, ia jogando no telemóvel.

 

Ou seja, o revisor não só não passou multa, como disse para ele se ir embora e ele só saiu na estação que queria.

 

Falta ainda referir que o adolescente tinha "bom aspeto", não representando o seu aspeto físico, e o medo do que poderia acontecer, qualquer justificação para a atitude do revisor. 

 

No fim, nem o rapaz quis comprar um bilhete, andando de comboio sem qualquer preocupação, nem o revisor quis exigir nada ao rapaz.

 

E porque é que isto me chateia? Por eu, e a larga maioria dos passageiros, tem de pagar os bilhetes, tem o cuidado de validá-los e, se não o fizer um dia por engano, leva logo com uma multa, independentemente da justificação. É triste, não é?

2 comentários

Comentar post