Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

soentrenos

Espécies de Vizinhos - Parasitas

Parasitas.png

 

Espécie de vizinhos que quer sempre tudo. Portas automáticas na garagem? Sim! Dois elevadores a funcionar? Sim! Sistema de extração de fumo a trabalhar dia e noite sem parar? Sim! Códigos de segurança nos elevadores? Limpeza das escadas quatro vezes por semana? Barras de emergência nas portas? Vedação com arame farpado nos terraços? Sim, sim, sim, sim!

 

E depois pagar estas despesas? E pagar as cotas do condomínio? Ai, isso agora já não dá... Estou sem trabalho há dois meses. Acabei de comprar um carro novo e fiquei sem dinheiro. Estou grávida do meu quinto filho e não dá para tudo. Vão começar as aulas e são duzentos e doze euros e vinte e dois cêntimos em livros. Mal tenho dinheiro para comer, mas isso não me impediu de ir passar férias no estrangeiro. A limpeza do prédio não é assim tão boa, só pago quando melhorar. Aceitei todas as mudanças no prédio apenas para segurança de todos, mas eu não queria nada disso!

 

Independentemente da capacidade argumentativa desta espécie de vizinhos e da, vulgarmente denominada, falta de vergonha na cara, as exigências não têm tendência a parar. E, curiosamente, estes espécimes têm o dom de criticar ferozmente os outros que não pagam, quando eles já contam com catorze meses de quotas em atraso.

 

Segundo relatos de vítimas, esta espécie gosta de ser eleita para a administração dos condomínios, o que tem sido estudado por psicólogos de todo o mundo sem conclusões satisfatórias. Para além disso, e estranhamente, é acarinhada por alguns administradores de condomínios, permitindo que os que não pagam há catorze meses permaneçam incólumes eternamente, enquanto os que, por acaso, se atrasaram no pagamento por uns dias, são imediatamente multados pelo atraso.

 

O não tratamento desta espécie pode levar a elevadores parados, zonas públicas sujas e filas de credores à porta, e a melhor forma de lidar com eles é recorrer às vias judiciais, apesar de estar provado que o mais certo é nunca se ver a cor do dinheiro.

 

Mais espécies de vizinhos, aqui.