Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

soentrenos

Cavalheirismo forçado

 

Sou daqueles homens que pára sempre para que uma mulher entre em primeiro lugar nalgum sítio e, se houver uma porta, faço sempre questão de a abrir e manter aberta, passando apenas no fim. Porquê? Porque foi assim que fui educado, porque para mim é o correto e também porque não custa nada e é uma questão de respeito.

 

Porém, há mulheres que abusam deste cavalheirismo. Recentemente, estava a aproximar-me de uma porta de um centro comercial e uma mulher que ia à minha frente parou junto à porta fechada e olhou para trás. Imaginei que não fosse entrar e estivesse à espera de alguém, e empurrei a porta para entrar. De imediato, a mulher avançou para a porta, bateu no meu braço esticado que abria a porta e passou à minha frente, obrigando-me a parar repentinamente para não pisá-la. No fim, nem obrigado, nem nada.

 

Não sei se estava mesmo à espera de alguém e entretanto desistiu, mas acredito seriamente que, afinal, ela estivesse somente à espera que eu lhe abrisse a porta. Mas podia ter tido mais cuidado... Não era preciso atropelar-me para entrar à minha frente.

 

Outra situação de cavalheirismo forçado acontece, por vezes, quando ando de comboio. A estação costuma estar cheia, dezenas aglomeram-se junto a cada porta quando o comboio chega, e eu, por norma, se tiver mulheres ao meu lado, costumo deixar que passem à minha frente. No entanto, é vulgar ver as outras mulheres, que estão atrás de mim, a aproveitar o facto de deixar passar uma, ou duas, para passarem também. E depois, lá tenho eu de colocar um ponto final naquilo, antes que o comboio parta sem mim.

 

Conclusão: cavalheirismo sim, mas forçado não.

{#emotions_dlg.blink}

4 comentários

Comentar post