Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Só entre nós

Só entre nós é um blog só para nós. Para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, sobre o que gostamos, ou não, sobre viagens fabulosas, restaurantes, pessoas que admiramos, ou que nos deixam os cabelos no ar, livros lidos e muito mais.

Só entre nós

Boicote a este "jornalismo" de m*rda

IMG_3949.JPG

 

Na última década e meia temos assistido a uma degradação acentuada do "jornalismo" feito em Portugal, mas nas últimas semanas tem-se batido recordes.

 

Escrevo "jornalismo" assim mesmo, entre aspas, porque na realidade esta m*erda que é feita só pode ser identificada com tal palavra por uma questão de facilitismo, porque se há coisa que isto não é é jornalismo. Tenho respeito suficiente pelos verdadeiros jornalistas e direções dos meios de comunicação para não colocar no mesmo saco estes abutres nojentos que nada mais querem do que escarafunchar a carne podre e inventar notícias.

 

Da mesma forma, tenho igual nojo por aqueles que "obrigam" jornalistas a tornarem-se nestes abutres, sob pena de ficarem sem emprego, e sinto asco por aqueles que financiam estes ditos órgãos de comunicação.

 

Alguns exemplos recentes para ilustrar esta comunidade de abutres:
- há uns dias passei por uma televisão que transmitia a CMTV e estavam a dar em direto as técnicas de reanimação a um pai que tinha acabado de salvar a filha do mar. O pai estava praticamente morto, as equipas de profissionais da saúde tentavam salvar a vida do homem, e tudo isto era transmitido ao vivo, relatado e ilustrado por frases chamativas e chocantes. Nem havia respeito pelo homem, que lutava pela vida, nem pelos seus familiares ou conhecidos;


- na TVI, a Judite de Sousa decidiu fazer uma reportagem ao lado de uma vítima de Pedrógão Grande, "gabando-se" disso mesmo. Mais uma vez, respeito zero;


- ainda a propósito de Pedrógão Grande, foram muitos os meios de comunicação que fizeram questão de mostrar em formato "non stop" os corpos no chão, de comentar as portas abertas dos carros e ilustrar o que devia ter acontecido, houve também quem fotografasse e mostrasse os animais mortos e queimados...;


- o Observador decidiu relatar histórias macabras, horrorosas e gráficas sobre as vítimas de Pedrógão Grande, com um pequeno aviso vermelho para o conteúdo possivelmente violento;


- ainda o Observador noticiou a generosa doação de Villas Boas para ajudar quem sofreu com os incêndios, mas fez em jeito de crítica, dizendo que corresponde a uma pequena parte do que recebe e podia dar muito mais.

 

Não tenho qualquer dúvida de que se tivessem acesso a imagens, haveria meios de comunicação que mostrariam os corpos incinerados sem qualquer censura. Porque o nível desta gente é desse calibre. O único intuito é arranjar o material mais chocante, mais agressivo, mais violento, para com isso conseguirem mais audiências e, consequentemente, mais dinheiro.

 

E porquê? Porque infelizmente estes "jornalistas" não são os únicos abutres. É triste, mas são muitos (mesmo muitos) aqueles que querem ver estas informações. Que querem saber ao pormenor que desgraça aconteceu. Quantas facadas o outro levou, e onde levou, se as pessoas sufocaram primeiro ou sentiram as chamas a queimar o corpo, se as pessoas tentaram fugir ou ficaram dentro dos carros, se havia crianças (é sempre melhor quando há crianças)...

 

É um "jornalismo" de m*rda, uns meios de comunicação de m*rda, e isto tudo só continua porque temos milhões que gostam desta m*rda. É esta a realidade com que não me posso contentar.

 

Passámos a viver numa sociedade onde já é banal ver mortos no chão ou pessoas assassinadas ao vivo. A desgraça está tão vulgarizada que é preciso ir cada vez mais fundo. Conseguir coisas ainda mais podres.

 

A continuar assim, não sei onde vamos chegar. Mas não vai ser bonito...

4 comentários

Comentar post