Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Só entre nós

Só entre nós é um blog só para nós. Para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, sobre o que gostamos, ou não, sobre viagens fabulosas, restaurantes, pessoas que admiramos, ou que nos deixam os cabelos no ar, livros lidos e muito mais.

Só entre nós

Só entre nós é um blog só para nós. Para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, sobre o que gostamos, ou não, sobre viagens fabulosas, restaurantes, pessoas que admiramos, ou que nos deixam os cabelos no ar, livros lidos e muito mais.

Bebés Gourmet - Sim ou não?

1322495597-screen_shot_2011-11-28_at_9.52.16_am.pn

 

Como sou uma pessoa que gosta de planear tudo com antecedência, já ando a reservar idas a alguns restaurantes especiais (leia-se com estrelas Michelin) com mais de seis meses de antecedência. Porém, e agora que tenho o meu primeiro filho a caminho, tenho de passar a pensar também nele. Nomeadamente, se posso ou não levá-lo comigo para os restaurantes onde quero ir. Sim, eu sou daqueles que acredita que, mesmo com um bebé de meses, é possível manter algumas das atividades pré-bebé, como ir jantar fora, mesmo que seja aos melhores restaurantes do país e do mundo.

 

O normal seria nem ter de colocar essa questão, porque em princípio um restaurante aceita que se leve um bebé, mas tratando-se de restaurantes Michelin, mais vale confirmar se é ou não possível. Até porque, pela nossa experiência, não é costume ver bebés neste tipo de restaurantes.

 

Dos meus contactos feitos até agora, posso informar que não há qualquer problema em levar um bebé ao El Celler de Can Roca (3 estrelas Michelin, em Girona), ao Vila Joya (2 estrelas Michelin, em Albufeira) ou ao Diverxo (3 estrelas Michelin, em Madrid). Aliás, ao fazer a pergunta nos dois primeiros restaurantes, perguntaram-me logo se não queria que disponibilizassem uma cadeira para o bebé. No L'and Vineyards também sei que não há problemas, pois quando lá estivemos havia algumas crianças pequenas.

 

Porém, e infelizmente, nem todos são assim. O Ocean (2 estrelas Michelin, em Alporchinhos) não aceita que se leve um bebé. Nem uma criança até aos 12 anos, o que é lamentável. Compreendo que cada restaurante tenha uma política diferente, mas quando restaurantes similares (em notoriedade, prémios, estilo e localização) aceitam tão facilmente que se leve um bebé, é pena que haja um restaurante que se recusa a aceitá-lo.

 

O que me leva a perguntar - devem ou não os restaurantes aceitar crianças e bebés, independentemente das estrelas que tenham?

 

Na minha opinião - devem. E não é porque eu quero levar um bebé de meses para o, atualmente, segundo melhor restaurando do mundo, mas sim porque:

- considero que levar um bebé deve ser visto como algo natural;

- os bebés necessitam de estar com os pais (principalmente aqueles que ainda mamam);

- os pais não devem ser privados da possibilidade de jantar fora num restaurante de que gostem;

- o facto de haver bebés na sala, mesmo que a chorar e a berrar, não vai influenciar negativamente a minha experiência.

 

É claro que compreendo que haja pessoas que preferem jantar na paz dos anjos, e não ter um anjinho a chorar durante três horas mesmo ao lado. Mas não deverão essas pessoas compreender a parte dos pais?

 

Ah, e já agora, não acho que seja violento para qualquer bebé passar três horas ao pé dos pais num restaurante. É praticamente o mesmo que estar em casa com ele. A única diferença é que há mais movimento e barulhos, o que até pode ser bom para mantê-los distraídos.

 

E vocês, o que é que acham? Independentemente das estrelas, deve-se poder levar um bebé para o restaurante, ou não?

 

P.S.: parabéns ao El Celler de Can Roca e ao Vila Joya pela excelente forma de lidar com esta questão. Não interessa se estão entre os 25 melhores restaurantes do mundo, ou se as contas finais têm, pelo menos, três dígitos. Os bebés devem estar com os pais, e se estes querem ir ao restaurante, devem poder levar os filhos com eles.

15 comentários

Comentar post