Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Só entre nós

Só entre nós é um blog só para nós. Para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, sobre o que gostamos, ou não, sobre viagens fabulosas, restaurantes, pessoas que admiramos, ou que nos deixam os cabelos no ar, livros lidos e muito mais.

Só entre nós

Só entre nós é um blog só para nós. Para escrevermos sobre aquilo em que pensamos, sobre o que gostamos, ou não, sobre viagens fabulosas, restaurantes, pessoas que admiramos, ou que nos deixam os cabelos no ar, livros lidos e muito mais.

A minha perspetiva do Azurmendi

 

Depois da magnífica review feita pelo meu maridinho, que certamente já leram aqui, deixo-vos a minha perspetiva deste restaurante 3 estrelas Michelin.


Se querem saber o que comemos, como estava e quanto pagámos, este não é o post certo. Para isso, mais uma vez, podem ler aqui tudo o que o meu maridinho escreveu e muito bem, na minha modesta opinião.

 

Eu gosto de comer bem. Em casa e fora de casa. Gosto sobretudo de comida tradicional portuguesa, de todas as regiões, e cozinhada ao estilo mais tradicional. Gosto, também, de experimentar cozinhas diferentes, estilos diferentes e restaurantes diferentes. E é por isso que alinho nesta coisa de experimentar estrelas Michelin. Não pela comida, mas pelo ambiente do restaurante, pela experiência, pela diferença.

 


Não faço a mínima ideia de quais são os critérios que determinam a atribuição das estrelas Michelin, mas sempre tive curiosidade de saber como seriam estes restaurantes, sendo certo que sempre os imaginei bem diferentes dos demais. Por alguma razão, esta história das estrelas existe e é tão propagandeada!

 


Na minha primeira experiência, o Belcanto (1estrela), percebi que dois fatores distinguem claramente estes restaurantes de todos os outros onde até então tinha estado: o serviço impecável, num espaço bem decorado e cosmopolita, e a criatividade, o requinte e a sofisticação na comida.

 

 

A segunda experiência foi no Vila Joya (2 estrelas), sobre o qual podem ler aqui, onde pude constatar exatamente o mesmo, apesar de um ambiente totalmente diferente, uma vez que o almoço foi servido num magnífico terraço com vista para o jardim e em cima do mar.

 

Esta foi a minha quarta vez num restaurante deste nível. A curiosidade era grande, confesso. Primeiro porque o restaurante tem 3 estrelas Michelin. Depois porque fica em Espanha e não em Portugal.


Será que por ter três estrelas é assim tão melhor que os outros dois? Será que por ser em Espanha a comida é assim tão diferente da que é servida em restaurantes do mesmo nível no nosso país?

 

 

Começo por responder à primeira com um NÃO. Na minha opinião, o ambiente e o serviço, bem como a própria comida, não são necessariamente melhores num restaurante com 3 estrelas Michelin, quando comparado com os menos estrelados. São até muito parecidos.


A resposta à segunda pergunta para mim é NIM. Nem sim nem não. Claro que há diferenças, inerentes às influências que cada Chef absorve do ambiente que o rodeia, dos produtos disponíveis, ou até mesmo das suas origens gastronómicas, mas a comida, no essencial e na forma como é servida, não muda assim tanto.

 


Quem teve a paciência de ler tudo até aqui, tem o direito de perguntar: mas, afinal, que tal o Azurmendi, valeu a pena?

 

Claro que nunca tinha pago tanto por uma refeição, e isso tem muito peso na minha balança. Mas, ainda assim, valeu a pena. No fundo, entendo isto dos restaurantes Michelin como um luxo acessível. Não é para todos os dias, claro, nem sequer para todos os meses, mas de vez em quando não me parece escandaloso pagar por uma refeição aquilo que pagaria por uma boa mala, um bom par de sapatos ou uma primeira consulta da especialidade com um médico que me mereça confiança.

 

 

Esta visita ao Azurmendi valeu pelo local onde se situa este restaurante. Apesar de ser em Espanha, nos arredores de Bilbao, a verdade é que parece que estamos na Suíça, rodeados por montanhas altas e muito verdinhas, pontuadas aqui e ali por chalets e vaquinhas a pastar calmamente...

 

Valeu também pela experiência, que foi completamente diferente de todos os restaurantes onde já estive antes. Aqui fomos recebidos pelo Souschef, Italiano, mas que falava connosco em Português, e não fomos levados diretamente à mesa. Pelo contrário. Saímos logo do restaurante e fomos até à horta, no terraço, onde nos esperavam os primeiros aperitivos escondidos entre as plantas da estufa!

 

 

Depois voltámos ao restaurante, um edifício moderno de paredes envidraçadas, muito bem enquadrado na paisagem, e foi-nos oferecido um cesto de piquenique com mais algumas iguarias para petiscarmos. E ainda antes de nos levarem à sala de refeições, fomos até à cozinha, onde nos esperava o Chefe e a sua equipa, com mais um aperitivo e uma efusiva saudação! Aqui o Chefe veio cumprimentar-nos e dar-nos as boas vindas pessoalmente!

 

 

Finalmente fomos conduzidos à nossa mesa, junto à parede de vidro, com vista para as montanhas. Seguiu-se a refeição, que não desiludiu, bem pelo contrário. E, por fim, terminado o almoço, voltámos à cozinha, onde pudemos dar os parabéns ao Chefe, que nos agradeceu a visita com um "obrigado"!

 

 

Fica para sempre a memória de um Chefe humilde e genuinamente simpático num restaurante 3 estrelas Michelin! 

{#emotions_dlg.kiss}